O avanço da informação na transformação da indústria de manufatura.

By | Análise do Produto, Conhecimento & Utilidade, Gestão do Ciclo de Vida do Produto, Industria 4.0, Manufatura de Produto, Sem classificação | No Comments

Fabricantes dependem de informações e análises para ajudá-los a lidar com a complexidade causada por operações globais, cadeias de valor e mercado. A maioria reconhece que há uma tremenda oportunidade de usar, analisar e aplicar informações em todo o negócio. No entanto, eles precisam fazer um trabalho melhor, capitalizando informações disponíveis, para incorporarem inteligência na forma como gerem as suas operações e entregar produtos e serviços.

Os fabricantes devem evoluir a partir de uma abordagem de gerenciamento de dados clássica para que utilizem as informações e o conhecimento como ativos críticos nos negócios. Práticas de qualidade e gerenciamento de dados ainda são essenciais. Mas essas práticas devem evoluir para satisfazer as exigências do ambiente e do negócio digital em construção.

Conversão de informações é um desafio enorme e crítico para muitos. A IDC estima que, em 2020, o universo digital vai chegar 44ZB, ou 44 trilhões de gigabytes, de dados chegando a um aumento de dez vezes mais que em 2013, com 40% de crescimento ao ano. Para piorar a situação, a IDC estima que 22% das informações no universo digital eram utilizáveis para análise, em 2013; no entanto, foi analisada menos do que 5% das informações que podiam ser utilizadas. Esses números precisam mudar para os fabricantes. Embora a maioria dos fabricantes têm agregado e analisado muitos de seus dados transacionais, muitos veem valor em outros tipos de dados e fontes, como dados de máquinas ou gerados por sensor, dados de GPS, texto, rich media (imagem, voz e vídeo), e do consumidor, com base em sites de comércio eletrônico e redes sociais.

O Aumento de Conhecimento do Trabalhador.

Os fabricantes precisam de seus funcionários produzindo de forma mais eficiente e produtiva, como eles gerenciam operações, designe de produto e desenvolver uma nova propriedade intelectual (IP) em qualquer lugar do mundo. O conhecimento é a base para aumentar e automatizar o trabalho em toda a empresa e para dar experiência a nova geração de trabalhadores e gerar mais benefícios e produtividade.

Funcionários que se baseiam principalmente em dados e informações para fazer o seu trabalho, atualmente representam cerca de 40% da força de trabalho na indústria de manufatura. Em grandes empresas que detém plantas geograficamente dispersas, a troca de informações é muitas vezes a engrenagem que mantém a empresa funcionando como uma. No entanto, os fabricantes muitas vezes lutam para fornecer sistemas de acesso unificado de informação com um ponto de acesso único, para fontes de dados heterogêneos ou conseguir o que chamamos de “truth in data”(Veracidade de dados).

Alterando as plataformas de análise processos de negócios e tecnologia avançadas.

Outros fatores estão impulsionando a necessidade de transformação de informações, tais como a necessidade de apoiar os processos de negócios e colaboração interdepartamental que atravessa os limites do aplicativo. Por exemplo, a plataforma de inovação de produto global, que serve como uma forma de aumentar o acesso e partilha de documentos e dados relacionados com o produto para as organizações de engenharia distribuídos e bem além da engenharia, integração de dados e análises são absolutamente essenciais para o sucesso da implementação da plataforma de inovação e outras plataformas de processos.

A disponibilidade e a procura de mais análises avançadas também estão acelerando, como a análise preditiva, o aprendizado de máquina e computação cognitiva para fornecer orientações ou mesmo de automação.

Transformação da informação.

Os fabricantes devem fazer mais do que apenas investir em ferramentas e tecnologias; eles precisam de uma transformação da informação. Tal estratégia pode ajudar os fabricantes avançar e tirar o máximo proveito do poder extraordinário das informações. Em cada estágio dessa transformação , os líderes devem concentrar-se nas seguintes dimensões:

  • Data Discovery: Inclui a aquisição, preparação e exploração, visualização e fixação de dados.
  • Value devolopment: Por meio de análise, algoritmos, gestão de programas e de qualidade.
  • Value realization: Através de monetização, produção, orquestração em tempo real e inovação de serviços.
  • Knowledge and collaboration: Incluindo o trabalho de virtualização, o conhecimento e integração, governança e riscos.
  • Information architecture: Incluindo a gestão de dados e modelo de informação da empresa, integração e sincronização, os serviços de informações de arquitetura e segurança.

No nível mais alto de maturidade, a fase de organizações otimizadas será capaz de conduzir a melhoria contínua na forma como valor de dados é desenvolvido e realizado em toda a cadeia de valor. Eles vão contar com uma plataforma de informação que garante a segurança do IP da empresa e estabelece claramente a informação como um ativo corporativo essencial. Eles também irão:

  • Liderar pelo exemplo e colaboração campeão. Permitir que tanto ações bottom-up e top-down para interagir de forma positiva. Educar todas as partes interessadas.
  • Tratar os dados e informações como faria com qualquer ativo de negócios críticos. Isto significa medição, documentação e gerenciamento de atributos essenciais, tais como valor, risco e custo.
  • Concentre-se em aspectos significativos, em iniciativas limitadas iniciais antes de investir em empreendimentos de maior porte. Chegar a um acordo sobre metas de maturidade e criar o roteiro de suas informações em plataforma digital.

As empresas mais avançadas podem acelerar o ritmo de análise sofisticada, a mistura de dados e tipos de dados, e a capacidade de otimizar e prever as decisões de negócios. Líderes na transformação de informações tratará os dados e informações como fariam qualquer negócio crítico ativo, com investimentos em pessoas, processos e tecnologias que reconhecem a importância das informações e a estratégia com um roteiro para maximizar a contribuição da informação para o sucesso do negócio.valorizar os seus dados e até mesmo monetizar isso.

Informação e unidade de inteligência embutida inovação contínua em processos, produtos e serviços; permitir fluxos de receitas; e combustível melhorando o engajamento e experiências do cliente.

Nossa orientação para os fabricantes durante o próximo ano inclui:

  • Avaliar a capacidade da empresa em cada uma das dimensões de transformação da informação.
  • Adotar uma tabela de desempenho para a coordenação de iniciativas e interdependências em toda a dimensão. Nossa pesquisa indica que o desequilíbrio entre os níveis de maturidade impede o sucesso.
  • Liderar pelo exemplo e colaboração campeão. Permitir que tanto ações bottom-up e top-down para interagir de forma positiva. Educar todas as partes interessadas.
  • Tratar os dados e informações como faria com qualquer ativo de negócios críticos. Isto significa medição, documentação e gerenciamento de atributos essenciais, tais como valor, risco e custo.
  • Concentre-se em aspectos significativos, em iniciativas limitadas iniciais antes de investir em empreendimentos de maior porte. Chegar a um acordo sobre metas de maturidade e criar o roteiro de suas informações em plataforma digital.

As empresas mais avançadas podem acelerar o ritmo de análise sofisticada, a mistura de dados e tipos de dados, e a capacidade de otimizar e prever as decisões de negócios. Líderes na transformação de informações irá tratar os dados e informações como fariam qualquer negócio crítico ativo, com investimentos em pessoas, processos e tecnologias que reconhecem a importância das informações e a estratégia com um roteiro para maximizar a contribuição da informação para o sucesso do negócio.

Kimberly Knickle

Kimberly Knickle é vice-presidente de pesquisa da IDC Manufacturing Insights, que através do conceito MaturityScape da própria IDC ajuda líderes de negócios e de TI avaliar as suas capacidades de informação e estágio de maturidade, compreender os desafios e oportunidades, identificar áreas de melhorias necessárias e criar o mapa da estrada e do quadro para avanços.

 

 

 

 

 

 

 

Chrysler aumenta sua receita em US$ 1 milhão por dia com Simul8.

By | Análise do Produto, Caso de Sucesso, Conhecimento & Utilidade, Engenharia Automotiva, Manufatura de Produto, Sem classificação | No Comments

A líder de fabricante de automóveis Chrysler aumentou suas receitas em US$ 1 milhão por dia sem aumentar os custos de fabricação e suprindo o aumento da demanda para os modelos 2015.

Sediada em Auburn Hills, Michigan, o Grupo Chrysler da FIAT possui 33 fábricas em quatro países e emprega mais de 52.000 pessoas.  A planta de montagem localizada em Brampton tem a capacidade anual de produção de 200.000 unidades e é o local onde são construídos o Chrysler 300, Dodge Charger e Dodge Challenger. As equipes de simulação de processos da Chrysler foram encarregadas de determinar se a Fábrica de Montagem localizada em Brampton suportaria um aumento de rendimento de 39 unidades por dia para lidar com o aumento da demanda para o ano de 2015.

O Desafio

No início de 2015, a Chrysler lançou o Chrysler 300, Dodge Charger e Dodge Challenger, e devido ao lançamento dos novos modelos foi necessário aumentar a produção de 930 para 969 veículos por dia para assegurar que a demanda poderia ser atendida. Steve Lin, um membro da equipe de simulação da Chrysler foi incumbido de estudar a performance da linha final de Guarnição de Chassis (TCF) para determinar que mudanças poderiam ser feitas, a fim de atingir o maior número de unidades por dia. Para alcançar esta meta, seria preciso aumentar a produção por hora (JPH) de 64 para 66 unidades.

A Solução

A equipe de simulação utilizou a fábrica de montagem de Brampton para fazer os testes nas velocidades das linhas de produção e entender o impacto que teria no resultado. Cada planta da corporação possui sua própria base de simulação e as alterações podem ser feitas dependendo a área que eles estão tentando aprimorar.  As primeiras maquinas a serem observadas foram as máquinas de baixo desempenho, e por serem estações automáticas, foi possível analisar o impacto na produção caso houver a redução do ciclo de vida da produção, nestas máquinas foram identificados 2 gargalos.  Com a simulação, podemos rankear as linhas com base no desempenho e identificar aonde estão os gargalos, e quais máquinas estão ficando ociosas. Foram realizados mais alguns estudos a respeito da linha de produção após a identificação dos gargalos. Na image abaixo, possui um gráfico gerado pelo sistema, que constou que os processos de Door Line, Sanyo Loop, Foam Both e D3 possuem mais gargalos, onde serão alterados e testados no primeiro teste.

Os dados utilizados pela Chrysler foram dados reais recolhidos no chão de fábrica, através de um sistema de dados do PLC, com relatórios em tempo real de velocidade de linha, ciclo de vida, MTTR e MTBF. Estes dados foram importados no software de simulação, o que significa que o único pré requisito, é que o MTTR e MTBF não fossem alterados. A simulação foi executada ao longo de um ciclo de 1 mês utilizando dados reais, assegurando que os testes fossem o mais parecidos o possível com os resultados reais, aumentando a sua credibilidade e permitindo que sejam alterados os tempos de produção das linhas de montagem a fim de que melhore o rendimento das máquinas.

O Resultado

A equipe de simulação identificou a possibilidade de redução do ciclo de vida de duas máquinas de modo que fosse suprida a necessidade de aumento de produção em 39 unidades por mês, chegando ao número de 969 unidades produzidas conforme o proposto. Com este aumento de unidades/mês, a receita diária da Chrysler aumentou em US $ 1.000.000. Como antes de realizar o ajuste nas máquinas foi simulado os impactos, foi identificado a maneira de fazer o aumento desta receita acelerando estas linhas sem ter nenhum gasto adicional para a Chrysler.

A equipe de Gestão da Chrysler foi capaz de utilizar esta simulação para ajudar a tomar as melhores decisões sobre como melhorar a sua linha de Guarnição de Chassis (TCF), a fim de satisfazer a taxa de produção desejada, contudo, como a simulação utilizada foi criada a partir de uma base de simulação, ela pode ser utilizada futuramente para novas trocas e análises nos processos da fábrica.

Qual e o próximo passo?

A equipe de simulação da Chrysler continua utilizando o SIMUL8 em toda a organização para ajudar na tomada de decisões de negócios mais eficazes. Isso pode ser em projetos que vão desde estudos de viabilidade de novas fábricas e linhas, a como fazer linhas existentes serem mais eficientes. Steve Lin e sua equipe estão agora apoiando fornecedores com a simulação para melhorar seus processos também.

Fonte: simul8.com

Para mais informações a respeito do Simul8, contato@cicloplm.com.

6 Razões por que seu PLM & PDM estão se tornando mais espertos.

By | Análise do Produto, Conhecimento & Utilidade, Desenho de Produto, Gestão do Ciclo de Vida do Produto, Industria 4.0, Sem classificação | No Comments

Artigo de Rob Spiegel para Design News – Traduzido por Ciclo PLM.

Uma mudança geracional chegou para as plataformas de software que gerenciam projeto de produtos. Tradicionalmente produtos mecânicos estão adotando cada vez mais eletrônicos e colaboração entre as equipes é mais vital do que nunca. Coincidindo com o rumo da produção em direção Indústria 4.0, Product Lifecycle Management (PLM) e Product Data Management (PDM) estão experimentando uma série de avanços que visam melhorar a integração e interoperabilidade, enquanto preservam uma trilha digital do desenvolvimento de um produto.

Eletrônicos estão dobrando a Mecânica

Uma das maiores mudanças é que os sistemas que antes eram focados principalmente na mecânica estão começando a embarcar a eletrônica. “O que é tendência em PLM é um monte de eletronificação”, disse Steve Chalgren, EVP de gerenciamento de produtos. “As empresas estãoAcitveWorkspace_PMI construindo produtos de alta tecnologia, mesmo se eles não estão em uma indústria de alta tecnologia. Um refrigerador por exemplo costumava ser um dispositivo principalmente mecânico. Agora ele tem eletrônicos importantes ligados a sensores que indicam se a sua porta está aberta. Isso coloca você envolvido em coisas como data centers, roteadores e firewalls “.

O resultado foi uma mudança para uma maior utilização do PLM. “As pessoas que nem soletravam PLM agora tem ele como um item já definido no orçamento devido ao maior uso da eletrônica”, disse Kent Killmer, VP de marketing. “As empresas estão despreparados para lidar com essas peças eletrônicas. Elas não estão acostumados a isso e agora eles têm de lidar com o ambiente regulatório dessas peças. Isso inclui RoHS e REACH. O PLM lida com esses aspectos sem esforço. ”

O time de design e projeto está conectado a todas as outras equipes

A colaboração tornou-se uma obrigação, pois as equipes de desenvolvimento de produtos movem-se para acelerar o tempo de introdução do produto no mercado. Em vez de mudar o produto de uma equipe ou disciplina para outra (como de desenhos CAD para análise de material e simulação), várias disciplinas são levadas em simultâneo. “A colaboração é uma das principais funções que um sistema PDM deve ter agora. Muitas pessoas estão trabalhando no mesmo conjunto, ao mesmo tempo, e ferramentas de colaboração permitem que você veja quem está trabalhando com o quê “, disse Kurt Lundstedt, gerente de produto da Dassault Systèmes. “Agora você pode fazer mensagens de texto (mensagens instantâneas), e executar reuniões em tempo real através de uma interface Web e ainda salvá-la como uma discussão do projeto. Todo mundo está “escrevendo” agora, e eles querem que essa capacidade também esteja em suas ferramentas de design e projeto de produto. ”

O produto está conectando-se ao usuário

Conectividade agora vai além dos produtos através da Internet das Coisas. Os dados do cliente podem ser trazidos para o processo de design de produto para melhorar o produto em sua próxima geração. “Nossos clientes estão agora se conectando através da Internet para melhorar a próxima geração do produto. As informações do produto conectado é trazido para o PLM “, disse François Lamy, vice-presidente de soluções de PLM na PTC. “Eu posso usar um painel de controle no sistema PLM para mostrar feedback sobre o produto. Quando eu trabalhar na próxima geração, eu já sei como melhorá-lo, porque eu estou conectado aos usuários e eles forneceram informações cruciais sobre a forma como o produto está sendo usado. ”

Plataformas de projeto estão ganhando interoperabilidade

A maioria dos produtos requerem uma série de ferramentas de software durante a fase de concepção. Tradicionalmente, a equipe de design muda o projeto para disciplinas como desenho assistido por computador, modelagem, ou avaliação de materiais. Então eles esperam. Cada CAE-Simulation-Managementvez mais, essas ferramentas estão ligadas à plataforma de design para tornar o processo de design mais eficiente e acelerar o time to market. “Mais dados estão sendo integrados no PLM”, disse Dennis George, gerente de marketing da Siemens. “Um monte de diferentes ferramentas estão ligando ao PLM. Nem sempre é integrado, mas está se criando links ao sistema de PLM para que os dados se tornem parte da lista de materiais (BOM) para fornecer um relato preciso do que consta no produto. ”

A interoperabilidade dos múltiplos sistemas de projeto também evita a equipe de design de vagar pelo deserto. Por exemplo, os designers podem descobrir se um determinado material irá atender aos limites de peso e de estresse no mundo digital e usar a planta PLM para compartilhar os resultados entre as várias disciplinas. “Você começa com os requisitos e objetivos de desempenho e utiliza isso para definir uma arquitetura ou modelo. Em seguida, os diferentes sistemas conversam uns com os outros e iniciam a documentar e interfacear “, disse George. “Você pode fazer a simulação multi-domínio e ver no início do processo, se você irá acertar seus objetivos, como quilometragem por exemplo. Você pode simular o consumo de combustível e de energia, mesmo quando você projeta. Antes de construir o projeto, você pode verificá-lo completamente em um mundo digital. ”

George observou que PLM fornece frequentemente o centro do design, gerenciamento de dados de várias fontes. “A plataforma digital gere todos os dados e mantém a relação para certificar-se de que os dados corretos são compartilhados com as pessoas certas no momento certo”, disse ele. “Alguém muda o design, e se a mudança não é compartilhada e outros começam a mudar o projeto, você irá perder muito dinheiro. PLM mantém tudo isso junto. É inserir mudanças através de um circuito fechado para que todo mundo saiba o que foi feito “.

Projeto de Produto está se tornando Mobile

Uma geração inteira de Millennials (geração Y) espera que suas ferramentas de software trabalhem no mesmo nível de tecnologia como seus smartphones. E as empresas de PLM agora estão facilitando isso. “Nós introduzimos um novo cliente Web para que você pode usar em qualquer browser. Isso inclui a capacidade de acessar o projeto em um iPhone ou Android “, disse Lundstedt. “O cliente Web independe do navegador, assim você pode usar qualquer navegador da Web para acessar os mesmos dados que você acessa em seu desktop. Se você quiser melhorar um desenho e você está longe de sua área de trabalho, você pode fazer em seu iPhone. ”

Empresas estão criando uma trilha digital compartilhável

Parte do esforço para manter o design coerente e em harmonia com os seus requisitos através do processo de design é criar uma trilha digital que pode ser compartilhada. “Uma das áreas que estão construindo é chamado de desenvolvimento de produto liderado pelo sistema. Ele fornece uma linha digital de exigências “, disse Stephen O’Lear, gerente sênior de marketing da Siemens.

Os requisitos se tornam mais complexos já que o produto se move ao longo do processo de design. Os requisitos incluem questões de mercado, bem como as normas governamentais. O sistema PLM tem a tarefa de manter o processo na pista. “Você tem que ter requisitos através da concepção do sistema e usá-las para delinear o design de produto e desempenho”, disse O’Lear. “Então você pega o design do produto e volta a verificar-lo através dos requisitos. À medida que você progrede através do projeto do produto, você já sabe se o produto físico vai funcionar ou não. ”

 

Desperdícios Visíveis e Ocultos da Indústria

By | Análise do Produto, Conhecimento & Utilidade, Desenho de Produto, Engenharia Automotiva, Gestão do Ciclo de Vida do Produto, Industria 4.0, Manufatura de Produto, Sem classificação | No Comments

Por Everton Fernandes – Head of Applications Specialist na Ciclo PLM Software

Em um mundo competitivo, para que uma empresa sobreviva, é necessário investir. A todo ano, mais e mais investimentos são aplicados em processos, ferramentas, maquinas, capacitação, etc. Quando falamos em potencializar o processo produtivo, sempre tocamos nesse ponto, “investimento”, aplicar recursos para ter algum tipo de retorno. E se, ao invés de investir, aplicar, simplesmente retirássemos? Calma, já vamos explicar…

Você já parou para pensar quanto dinheiro está parado em sua empresa? Dinheiro esse que poderia ser revertido em investimento, ou em até em lucro? Sim! A todo o dia, milhares e milhares de investimento ficam parados em estoques, máquinas paradas, processos desnecessários, gargalos e mais gargalos. Tudo isso já foi percebido la pela década de 50, na Toyota, ao perceber-se que, grande parte dos prejuízos de uma organização dava-se devido aos desperdícios. Ao todo, esses desperdícios foram separados em 7 categorias.

Entre eles estão:

1. Transporte:

Este desperdício está ligado diretamente a quanto e como eu necessito transportar realmente, em comparação com o quanto e como eu tenho que transportar. O cliente não paga por esse transporte, logo, quanto menor a distância e quanto maior o volume de itens que eu transporto dentro do meu parque fabril, mais economia eu terei.

2.Estoque ou Inventário

Estoques, tanto intermediários quanto finais, representam dinheiro parado. Inclusive, dependendo do tempo em que um produto deve aguardar para o próximo processo ou para o repasse ao cliente final, sua integridade pode ser afetada, ocasionando inclusive refugos.

3. Movimentação

Lay outs pouco organizados obrigam os funcionários a se moverem desnecessariamente dentro do parque fabril. O acumulo do tempo improdutivo em que o funcionário movimentando se desnecessariamente gera por não estar produzindo é convertido em dinheiro desperdiçado.

4.Espera

Que empresa hoje não possui gargalos? Todos percebemos gargalos relativamente grandes em nosso parque fabril. Esses gargalos, enquanto não corrigidos, são convertidos em toneladas de investimento indo pelo ralo.

5.Excesso de processamento

A adição de operações desnecessárias, pode tanto agradar ao cliente por superar as expectativas, como também agregar funções que apenas nos trarão prejuízos.

 6.Excesso de produção

Produzir além da demanda é um erro grave. As consequências podem gerar muito estoque até eventual descarte de produtos. Além disso, em algumas ocasiões, o próprio processo possui detalhes que são executado repetidas vezes ou etapas que estão fora do recomendado.

7. Defeitos

Peças defeituosas, em muitos casos, eliminam completamente o lucro que seria obtido, e acarretam inclusive em prejuízo para a empresa. Além dos “reprocessos” e processos para a detecção do motivos dos defeitos.

Como podem perceber, um pequeno amontoados de desperdícios pode gerar um grande prejuízo para a organização. Logo, antes de iniciar qualquer investimento para potencializar o processo produtivo da sua empresa, lembre que esse investimento irá possivelmente servir também para cobrir desperdícios. Ou seja, ganho dobrado!

Conheça o ARAS INNOVATOR e otimize seus processos e fluxo de informação com baixíssimo custo. 

SimLab Composer para visualização e simulação classe A no ZW3D.

By | Análise do Produto, Desenho de Produto, Sem classificação | No Comments

Visualização e simulação classe A no ZW3D.

O ZW3D software CAD / CAM para projeto e manufatura juntou forças com o SimLab Composer, um dos melhores programas para criação de cenas e colaboração em 3D, para auxiliar sua comunidade mundial de usuários a criarem imagens e animações de alta qualidade e também executar análises de simulação dinâmica.

zw3d-simlab

Essa parceria com SimLab permite ao ZW3D desenvolver uma conexão direta, tendo o acesso direto ao SimLab Composer na interface do  ZW3D e utilizando de todos os benefícios possíveis. A conexão mantém links ativos sincronizados sobre os dados do ZW3D e SimLab Composer.

zw3d-simlab2

Benefícios da Integração entre ZW3D e SimLab Composer:

Rápida detecção de colisão em simulações complexas de corpos rígidos

Com a ferramenta Simulation do SimLab Compositor, o projetista ZW3D pode modelar, monitorar e analisar simulações com rapidez e precisão dinâmica de sistemas mecânicos usando os melhores solucionadores de engenharia (solvers). Assim, os custos de investigação são reduzidos significativamente e os tempos de entrega do projeto final será muito mais curto.

Projeto facilita a colaboração entre a equipe técnica e não técnica.

Projetistas e engenheiros podem gerar arquivos PDF e HTML 3D baseados em WebGL de acordo com seus modelos 3D e exportá-los para dispositivos como Android / iPad.  Assim, os projetos podem ser compartilhados com todos, permitindo uma colaboração completa, dentro e fora do departamento.

A melhor maneira de mostrar idéias de design com texturas e foto realismo.

Algoritmos de processamento são usados ​​no SimLab Composer para simular sombreamento e texturas na superfície de um objeto 3D, permitindo-lhe uma melhor apresentação para gerentes, clientes e prospects.

Fonte: ZW3D da ZWSOFT

Moldex 3D confirma Ciclo PLM como revendedor autorizado no Brasil.

By | Análise do Produto, Sem classificação | No Comments

Moldex3D é líder mundial na industria de software CAE para análises de moldes de injeção de plástico. Alimentado por análises best-in-class, Moldex3D confia na equipe Ciclo PLM para ajudar a realizar simulações  de uma ampla gama de processos de moldagem por injeção e otimizar projetos de fabricação de produtos. Além disso, sua alta compatibilidade e adaptabilidade têm fornecido aos usuários conexão imediata para sistemas CAD convencionais, criando uma simulação de design com uma plataforma flexível.

Moldex

Sua Principal Competitividade no Processo de Projetos de Moldes.

Um cenário típico que acontece com peças e projeto de moldes: Projetista tem uma ideia inicial do produto, porém, o fabricante de moldes tem que modificar o projeto por diversas vezes pois a excelência no resultado é difícil de atingir quando usamos o método tradicional de tentativa e erro e o projeto só pode ser validado quando completamente acabado. Todos concordamos que esse processo produtivo é muito custoso e ineficiente.
MoldexFlow
O Moldex3D CAE software proporciona uma simulação 3D verdadeira e tecnologia de visualização que você precisa para evitar os incontáveis erros e quer economizar tempo, energia e dinheiro através de tornar a construção de seus moldes mais eficientes.
Moldex3D ajuda você simular e visualizar o processo de molde de injeção para validar e otimizar seu projeto plastico, melhorar a manufaturabilidade, reduzir time-to-market e maximizar o retorno do investimento (ROI). Os maioria dos defeitos de manufatura podem ser previstos previamente e agora é uma hora boa pra resolver essa ineficiência.
Moldex3D ajudará simular e resolver os problemas de peças e projetos de moldes antes mesmo de colocar os moldes em try-out. Revisões de projeto e otimizações podem de maneira fácil ser rapidamente resolvidas nas fazes mais primárias dos projetos.
Saiba mais. Solicite informações adicionais através de contato@cicloplm.com ou ligue para 47 3801 1235.

5 Maneiras que o Projetista de Produto precisa evoluir para a Internet das Coisas.

By | Análise do Produto, Desenho de Produto, Sem classificação | No Comments

O que o desenvolvimento de produtos significa quando os produtos já não são somente coisas físicas?

Essa é uma questão bastante difícil que os projetistas enfrentam hoje. Quando as maquinas são tanto inteligentes quanto conectadas, isso se torna um hibrido de serviços e produtos. Exemplos podem incluir bombas que anticipa quando irão parar de funcionar, elevadores que cortem o tempo de transporte sabendo onde os passageiros vão antes mesmo de embarcar, transmissão de caminhões que antecipe as elevações de pista enquanto troca de marcha.

Os projetistas de produtos híbridos já não podem simplificar tendo foco somente no tangível. Eles devem também observar todo o fluxo de informação que envolve esses produtos. Isso é: como esse produto irá obter informação que irá necessitar para operar e como essa informação que esse produto criou será aplicada para outros híbridos entre produtos e serviços. Eles devem também, criar produtos onde à receita virá de negócios com modelo baseados em serviços e/ou pagamento embasada em resultados.

Os projetistas/designer híbrido também serão projetistas de serviços. Assim como um website ou aplicativos da web funcionam, eles deverão fazer uso dos serviços de informações embarcado em produtos inteligentes para gerar uma experiência ainda mais satisfatória e gratificante. Clientes permanecerão leais se eles estiverem contentes com a experiência e somente buscarão outros fornecedores de serviços caso não esteja.

Porém, a “hibridização” não acaba com os velhos valores do desenvolvimento de produtos. As virtudes do design para usabilidade, simplicidade, qualidade, inovação e fabricação permanecem validos. Com a indústria automobilística liderando o caminho na maioria dos casos, é bastante claro que o projeto de produto para a Internet das Coisas redefine essas características das virtudes do desenvolvimento de produtos.

O projetar para usabilidade inclui projetar para “expansão”. O visual, sensação e funcionalidade dos produtos já não são arrumados quando uma maquina desaparece do chão de fábrica. Usuários podem melhorar as funcionalidades durante o percurso enquanto baixam novas versões do software que roda os produtos. Isso significa que empresas não só desenvolverão produtos que são fáceis de utilizar, porém também serão fáceis de entender como funciona com o passar do tempo.

As empresas automobilísticas já estão iniciando o projeto para expansão. Os gráficos do Tesla Motors’ Model S pode ser atualizado como um aplicativo para smartphone. A empresa está considerando permitir que os aplicativos de Android rodem diretamente no sistema de computador de seus carros. Desenvolvedores de software, portanto, poderão criar novas ferramentas e interface para os motoristas.

Projetar para simplicidade inclui projetar para a economia de tempo. Produtos simples são simples para os clientes entenderem e operarem, e também para o mecânico manter e reparar. Usuários necessitam de menos tempo para estarem prontos e fazerem que as maquinas façam o que eles querem fazer. A internet das coisas permite projetista simplificarem processos de forma incrível resultando, portanto, economizar horas dos clientes e não somente os segundos que costumam economizar com produtos físicos desenvolvidos elegantemente.

Alugue um carro: o negócio da Daimler AG’s Car2Go realmente simplifica o processo. Clientes não necessitam retirar ou devolver os carros em um determinado local. Um aplicativo de smartphone indica onde encontrar o carro mais próximo para alugar. Ele destrava com o cartão de fidelidade, você dirige até o seu destino, estaciona na rua, trava e sai andando.

Projetar para qualidade também inclui para comunicação. Para produtos inteligentes, qualidade inclui a habilidade de estar seguro e confiável conectado a internet ou a uma rede privada e ainda conseguir gerar dados que são corretos, completos, atuais e consistentes. Eles também podem precisar comunicar com outros componentes desenvolvidos por outros fabricantes. Porém a conectividade e a qualidade dos dados e da rede só são garantidas quando são produtos conectados. Os grandes desenvolvedores de produtos irão entender como os dados criados por seus produtos irão ser consumidos em outros sistemas.

Por exemplo, os dados de um avião podem não somente ser utilizado para manutenção preventiva de um avião em particular, como em todo um serviço abrangente de frota que agenda a manutenção no momento mais conveniente para cada aeronave.Informação de um termostato inteligente pode ser utilizada para gerenciar a produção de energia por um utilitário elétrico, que em retorno oferece incentivos aos consumidores para reduzir o consumo.

Um bom desenvolvido modelo hibrido é aquele que “converse” e trabalhe em parceria com outros componentes ou outras maquinas que são parte do mesmo sistema. Pode se dizer que os projetistas criarão equipamentos que dirão coisas úteis.

Projetar para inovação do produto inclui projetar para descobrimento. Serviços digitais oferecem aos projetistas oportunidades para rapidamente experimentar novas características sem o custo e o tempo investido para construir e vender um novo hardware. Eles podem utilizar os híbridos como laboratórios de P&D, capturando como os compradores utilizam os serviços e testam as ferramentas a fim de descobrir quais tipos de consumidores consideraram de maior valor as características implementadas.

A Ford Motor company está abrindo as portas do descobrimento através do sua plataforma de software e OpenXC. A plataforma permite qualquer pessoa crie acessórios e aplicativos experimentais, como   aplicativo de aviso de colisão noturna. A demias os dados produzidos pelos serviços podem apontar maneiras de economizar dinheiro e apontar para novas oportunidades de negócios. Exemplos podem ser a análise de equipamentos de uma industria inteligente para reduzir utilização de energia, regonfiguração do tempo da fabrica e outros fatores que afetam eficiencia e custo e ainda melhorar a produtividade entre 6 e 8%. Um fabricante de equipamento de refrigeração identificou uma oportunidade And a maker of refrigeration equipment identified an opportunity para oferecer serviço de monitoramento continuo de temperatura para ser realizado durante transporte.

Projetar para fabricação incluirá projetar para criar ideias. Projetistas irão focar em como produzir dados e converter isso em ação, assim como eles fazem para tornar um equipamento que é fácil de construir. Eles manterão alinhamento com tecnologia de sensores e análises, e trabalharão com “cientistas de dados” para levar ao limite o que maquinas inteligentes poderão mensurar e aprender, para criar produtos que podem tomar decisões melhores.

ZF Friedrichshafen agora oferece um serviço que amplia a vida das transmissões de caminões e reduz o consumo de combustivel. O serviço coleta dados do comportamento dos motoristas, adiciona dados topográficos de GPS para analisar e dizer a um computador na transmissão do veículo quando deve trocar as marchas.

A Internet das Coisas terá um impacto profundo no que os projetistas industriais fazem, as habilidades que eles terão que ter, e o conhecimento que eles possuirão. As virtudes que eles possuem quando desenvolvem produtos terá um novo significado quando dados e serviços serão tão relevantes quanto metal, plastico e vidro.

 

Testo traduzido e adaptado de Harward Business Review:  5 Ways Product Design Needs to Evolve for the Internet of Things

ANSYS lança licença gratuita para estudantes

By | Análise do Produto, Conhecimento & Utilidade, Sem classificação | No Comments

ANSYS ESTUDANTIL

Estudantes que desejam aprender mais sobre as ferramentas ANSYS agora podem baixar e instalar gratuitamente a licença estudantil! O pacote de licenças oferece soluções em análise estrutural e fluidodinâmica com a mesma qualidade dos solvers comerciais, tendo apenas uma limitação na quantidade de nós/elementos permissíveis em um modelo.

space_sol_academic_license_register

O pacote de softwares tem validade de seis meses e pode ser utilizado apenas para aperfeiçoamento profissional pessoal.

Ciclo PLM e ESSS firmam parceria para comercializar e promover o ANSYS AIM.

By | Análise do Produto, Sem classificação | No Comments

ESSS e Ciclo PLM fecham parceria para comercialização de ANSYS AIM

Com o objetivo de oferecer novas perspectivas para a indústria, as empresas unem esforços para oferecer ao mercado a mais nova ferramenta multifísica da ANSYS Inovar é um grande desafio para todas as empresas brasileiras, especialmente para as de pequeno e médio porte, que identificam no acesso a novas tecnologias o grande desafio para a melhoria dos seus processos. Com o objetivo de trazer novas perspectivas para esse setor industrial, a ESSS e a Ciclo PLM fecham parceria para difundir o acesso dos diferentes ramos da indústria à ferramenta ANSYS AIM, que permite desenvolver projetos completos, desde o desenho passando pela simulação, otimização e análise dos resultados em um único ambiente – interativo e amigável – a um custo acessível.

“O ANSYS AIM veio para transformar o desenvolvimento de produtos! Com o apoio dessa ferramenta multifísica as empresas podem criar projetos eficientes com menor custo e em menor tempo. A parceria entre a ESSS e a Ciclo PLM surge com o objetivo de oferecer ao mercado a ferramenta ANSYS AIM, aliando o conhecimento adquirido em mais de 20 anos em simulação computacional da ESSS com a competência em engenharia e gestão de produto da Ciclo PLM”, explica Vinicius Rossato, gerente de vendas por canais para América do Sul na ESSS.

Para Fábio Leal, Lider de Tecnologia da Ciclo PLM, a parceria irá ajudar as empresas a avaliar e desenvolver produtos eficientes, tornando-as mais competitivas. “O fato de a ESSS nos dar o apoio que precisamos faz com que iniciemos com o pé direito, estando bem fundamentados e oferecendo produtos com mão de obra qualificada. Isso vai ao encontro de oferecer soluções e compreender os resultados que a ferramenta fornece. Atuamos com mercado de pequenas e médias empresas e o ANSYS AIM é uma solução que permite, de forma ordenada fazer análises robustas, é algo que casou bem com o objetivo da Ciclo PLM de ajudar as empresas a desenvolverem produtos melhores”, conta.

A Ciclo PLM irá atuar no estado de Santa Catarina e Paraná, concentrando-se principalmente nas regiões de Joinville e Curitiba, respectivamente. A empresa irá comercializar as soluções ANSYS AIM. Os serviços de suporte técnico e treinamento serão oferecidos pela ESSS, que dispõe de profissionais altamente qualificados na modelagem numérica e simulação computacional, bem como o conhecimento adquirido com o desenvolvimento de projetos para diferentes mercados, como mineração, óleo e gás, naval e offshore, automotivo, aeroespacial, entre outros.

Desenvolver produtos com qualidade, agilidade, confiabilidade e menores custos é um dos principais desafios das empresas de engenharia. A simulação computacional tem sido grande aliado uma vez que permite realizar testes virtuais do produto ainda em fase de desenvolvimento, reduzindo as falhas e otimizando os projetos.

Webinar

n

Para celebrar a parceria entre a Ciclo PLM e a ESSS, iremos realizar o Webinar para apresentar o ANSYS AIM no desenvolvimento de uma análise de uma válvula. A nova ferramenta #CAE ANSYS AIM possui interface integrada que permite fazer análises multi-físicas diversas (estrutural, fluidodinâmica e eletromagnética) em um único ambiente. Os carregamentos gerados na válvula pelo campo de pressão fluidodinâmico serão utilizados para a simulação estrutural, visando avaliar a tensão e deformação que o componente sofre durante o regime de trabalho. Participe através do link a seguir, as inscrições são gratuitas.

INSCREVA-SE