5 Erros para Evitar no Desenvolvimento de Produto

Por Mitch Maiman, Intelligent Product Solutions

Todo mundo já chegou lá. Fez isso. Os erros são uma parte da vida e certamente faz parte do processo de aprendizagem.Portanto, aqui estão alguns dos principais erros observados em centenas de equipes de desenvolvimento de produto. Sabendo disso, já podemos prevenir. Quantos desses erros você reconhece?

1. Perder o controle de custos de desenvolvimento de produto.

Uma equipe está armada com um bom cenário para o pontapé de saída. O projeto está para ser lançado com um escopo bem definido e um bom conjunto de requisitos. Alvos foram devidamente designado. A equipe sabe a missão e seus objetivos. Seis meses no projeto, o engenheiro do projeto executa um levantamento dos custos da lista de materiais e então …SHOCK. A projeção do cumulativo de custos da lista de materiais excede vastamente o custo-alvo. O que aconteceu?

Neste cenário, a equipe perdeu o foco sobre as implicações de custo projetada em uma miríade de decisões técnicas no âmbito da execução. Essas más notícias podem acontecer, mas, o que você quer é descobrir isso cedo. Uma dica para ajudar a identificar as más notícias precocemente (enquanto ainda há tempo para corrigir o curso) é começar com um sub-sistema e um budget para os componentes importantes. Isso precisa ser estabelecido no início e validado com frequência – bi-semanal não é demais.

Como exemplo, em projetos de design de produtos complexos que envolvam sistemas eletrônicos, estabeleça objetivos orçamentais primários para o sistema eletrônico e os componentes mecânicos ou fatores que tenham expectativa de custo. Os números provavelmente irão variar no decorrer do projeto, mas o constante monitoramento permitirá que a possibilidade de “tirar e colocar” possa servir para avaliar e a “sobrecarga” possa ser remediada de uma forma antecipada. Na pior das hipóteses, o balanceamento entre custo x recurso x requisitos pode ser feito cedo em cenários onde é antecipado a percepção de que “as rodas estão caindo fora do ônibus.” Quanto mais cedo as variações são confrontadas, menor será o impacto para o custo do projeto e cronograma, ou a decepção quando os recursos foram entregues a um custo que mata a aceitabilidade do mercado.

2. Perder o foco nos requisitos do produto.

No calor do projeto, é fácil perder de vista a natureza completa dos requisitos que precisam ser levados para o produto que está sendo desenvolvido. Constantemente, esses descuidos não são descobertos até o final do processo de desenvolvimento. O projeto pode estar muito adiantado e os recursos em falta praticamente não poderão ser incorporados. No melhor caso, corrigir e incorporar os requisitos em falta podem ser muito caros em termos de cronograma ou custos. Requisitos em falta também fazem grandes estragos na tentativa de controlar as projeções de custos do produto.

3. Falha ao monitorar o cronograma.

Mais uma vez, no calor do projeto, não é incomum para a equipe perder de vista o cronograma do projeto. Na retrospectiva é fácil de realizar. Agora é preciso esforço para monitorar e controlar horários para conclusão. Algumas empresas têm ferramentas elaboradas para monitorar estimativas para conclusão (ETC). – Conheça o Aras Innovator – O gerenciamento de grandes projetos podem envolver a atividade regular para manter o ETC sob controle. Em pequenas empresas, startups e pequenos projetos, tais controles são por vezes ausente ou não monitorados com frequência suficiente. Há um velho ditado que diz que não há projeto tão pequeno que não pode ser mal administrado. Muitas vezes, a perda de controle do cronograma é um fator que faz até mesmo pequenos projetos estourar grosseiramente o cronograma. E, a propósito, o tempo é realmente dinheiro. Em quase todos os casos, para um determinado conjunto de trabalho, o que levar mais tempo no calendário ira naturalmente custar mais do que uma tarefa concluída mais rapidamente.

4. Escopo que se arrasta despercebidamente.

Isso é muitas vezes a “morte de mil cortes.” Uma mudança pequena, um incremento para ajustar a funcionalidade do produto, tudo isso pode ter um enorme impacto. Estas pequenas mudanças em si pode não matar o cronograma, orçamento ou custo do produto de um projeto. No entanto, o efeito cumulativo de alterações após alterações podem causar estragos com o controle do projeto. Revisões cuidadosas das mudanças nos requisitos, juntamente com os efeitos sobre o custo do projeto, cronograma, ou necessidades de custos do produto devem ser realizadas. As empresas freqüentemente fazem isso para grandes alterações, porém a revisão de rotina na linha base de todas as alterações é a chave para manter o escopo sob controle.

5. Planejamento inadequado de recursos.

Um projeto bem concebido começa com uma definição razoável de requisitos e características, juntamente com projeções de orçamento e cronograma. Uma vez que uma decisão é feita para “ir”, as organizações devem estar prontas para entrar em movimento imediatamente. No entanto, é frequente o caso que um projeto começa lentamente com gradual crescimento da demanda por talentos e financiamento. Como exemplo, considere um projeto com um plano de kick-off começando com uma equipe de cinco engenheiros subindo para uma eventual equipe de 15. O que acontece quando a equipa do projeto arranca mas apenas dois dos engenheiros estão realmente trabalhando no programa? O que acontece quando os cinco engenheiros aparecem, mas cada um deles está começando o novo projeto enquanto ainda estão desacelerando de projetos mais antigos? O resultado é um início lento do projeto. Dificilmente, nenhuma quantidade de compensação extra com recursos adicionais poderão resolver os problemas de um lançamento lento.

Não obstante a lista anterior, haverá erros. Aqueles no desenvolvimento do produto por muitos anos estão dolorosamente conscientes do Princípio de Peter (um tópico para um artigo para outro dia) e a parábola que Pedro era um otimista. Embora erros serão cometidos, os erros listados são aqueles que ocorrem de novo e de novo. Ao evitar estes erros, você pode diminuir a chance de projetos mal sucedidos, lançamentos atrasados e oportunidades de mercado perdidas. Isso sem considerar que irá gerir melhor os seus projetos de desenvolvimento de produtos para o sucesso.

Sobre o Autor: Mitch Maiman é o presidente e co-fundador da Intelligent Product Solutions (IPS), com base em uma visão de entregar um novo modelo para o desenvolvimento de produtos de software e hardware que integra o espectro de disciplinas de design e engenharia como uma solução de fonte única.

Traduzido por Ciclo PLM.